Portal do Governo Brasileiro

Notícias do PAC

Assinar RSS O que é RSS?

Demanda por eletricidade no Brasil vai triplicar até 2050

21 de Agosto de 2014

O Brasil vai precisar investir muito em seu parque gerador elétrico até 2050 para dar conta do aumento de demanda que virá. Segundo estudo divulgado semana passada pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE), o consumo brasileiro vai triplicar, chegando a 1.624 terawatt-hora (Twh). 

Isso significa que teremos em 36 anos um consumo de eletricidade similar ao que é verificado na União Europeia hoje, de cerca de 7 mil kwh por habitante, por ano. O estudo, Demanda de Energia 2050, revela ainda que o consumo total por energia no país, incluindo eletricidade, gasolina e etanol, entre outros, dobrará no período.

Para garantir a toda energia que o cenário apresentado pelo estudo da EPE prevê ser necessária aos brasileiros em 2050, muitos investimentos vêm sendo feitos nos últimos anos na geração e transmissão de energia elétrica, com a construção de usinas hidrelétricas e eólicas, e linhas de transmissão de norte a sul do país, e também em plataformas e sondas de exploração de petróleo e gás natural.

Veja fotos de algumas das principais obras em andamento no país hoje no setor de energia.

Uma das fontes que certamente terá papel importante na geração futura de energia no país é a eólica. Hoje, a energia dos ventos é responsável por apenas 2,2% do total fornecido pelo parque gerador elétrico brasileiro, mas já dobrou sua participação em relação ao ano passado e a tendência é que continue crescendo significativamente até 2050. Afinal, o Brasil é um dos países com maior potencial para a energia eólica no mundo e essa fonte de energia está cada vez mais competitiva - tanto pela redução no seu custo de produção como também por ser uma fonte limpa e renovável, que não contribui para o aquecimento global, atraindo assim mais e mais investimentos.

Dados da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) mostram que as usinas eólicas já em operação no país geraram 1,3 GW em junho deste ano, 141% a mais do que em o mesmo mês de 2013 (539 MW - que equivalia a 0,9% do total).

Saiba mais sobre este empreendimento