Portal do Governo Brasileiro

Notícias do PAC

Assinar RSS O que é RSS?

Aviação regional será fortalecida com investimentos de R$ 7,3 bilhões

29 de Abril de 2014

Um dos investimentos mais estratégicos do governo federal nos últimos anos tem sido a reforma dos grandes aeroportos, para aumentar sua capacidade de atender à crescente demanda de passageiros. Mas esta é apenas uma parte do plano de melhorar a aviação civil do país. Outro ponto importante é o necessário investimento nos pequenos e médios aeroportos brasileiros, determinantes para interligar as várias regiões e aumentar o acesso da população a serviços aéreos.
 
Por isso o governo federal lançou, em dezembro de 2012, o Plano de Investimento em Logística (PIL): Aviação Regional (PNAR), que prevê a construção e ampliação de 270 aeroportos regionais espalhados pelo país. Com eles, a ideia é integrar o território nacional, fortalecer pontos turísticos, desenvolver polos regionais e melhorar a mobilidade para as comunidades da Amazônia Legal.
 
“A meta do governo federal é fazer com que pelo menos 95% da população brasileira fique a menos de 100 quilômetros de um aeroporto em condições de receber linhas regulares”, afirma Guilherme Ramalho, secretário-executivo da Secretaria de Aviação Civil (SAC).
 
Veja a lista dos 270 aeroportos que fazem parte do Plano de Aviação Regional.
 
A região Norte será a maior beneficiada com o Plano de Aviação Regional. Estão previstos 67 terminais. Três serão construídos do zero (Ilha de Marajó, no Pará, e os de Bonfim e Rorainópolis, em Roraima) e 64 serão reformados ou ampliados: quatro no Acre, 25 no Amazonas e dois no Amapá.
 
Os quatro estados do Sudeste terão 65 aeroportos: 19 em São Paulo, 33 em Minas Gerais, nove no Rio de Janeiro e quatro no Espírito Santo.
 
Na região Nordeste serão 64 terminais, a maior parte deles a ser construído na Bahia (20). O Maranhão contará com 11 aeroportos. Já na região Sul serão 43 equipamentos e no Centro-Oeste, 31 - dos quais 13 no Mato Grosso.
 
Estão previstos quatro modelos de terminais de embarque e desembarque para os aeroportos regionais. O maior deles terá uma área de 3.550 metros quadrados, com capacidade para receber 200 passageiros. Três categorias de aviões estão sendo consideradas como padrão para operar nesses aeroportos. Veja mais detalhes no infográfico acima.
 
No PIL estão sendo estudados subsídios para viabilizar as rotas entre cidades pequenas e médias do interior e destas cidades para as capitais. A intenção é fazer ainda com que o preço das passagens disponibilizadas nesses aeroportos seja compatível aos oferecidos pelo transporte rodoviário. O investimento para a implantação dos aeroportos regionais é de R$ 7,3 bilhões.